quinta-feira, julho 07, 2005

À BOA MANEIRA DO EÇA

Hoje não sinto prazer em escrever. A minha filha mais velha está em Londres, diligenciei, por interpostas pessoas, saber se estava bem, enquanto um medo horrível me paralisava e confundia os meus raciocínios. Depois, quando fizeram o favor de me informar que ela estava bem e que nada de terrível, dos cruéis atentados, a tinha tocado, nem ao de leve, fiquei mais tranquila, Mas, todo o dia foi difícil de passar. E custa-me profundamente ter perfeita consciência que, embora me dói-a muito um acto desumano e cobarde de terrorismo, contra civis inocentes, na minha cabeça brada, muito mais alto, a urgência de se decretar uma lei que nunca permita na terra de humanos, seres estranhos, que deixam os outros a sofrer, sem uma palavra de esclarecimento, de solidariedade, seres que matam com outra forma de violência, a psicológica, silenciosa e cobarde.
Eu sei que a tua filha está bem, mas tu, mãe, sofre, espera, descobre, como e quando poderes, se fores capaz.
Eram oito da noite quando a minha filha me ligou de Londres.
A idade não me ensinou muitas coisas que eu gostava de saber. Mas hoje teria casado com um amigo; pelo menos, nunca cases com o inimigo, se fores capaz de perceber quem é o monstro.Mesmo que não te veja há anos, se tiver uma pequeníssima oportunidade de te magoar, não hesitará.Maledetto!!!

4 Comments:

Anonymous if said...

A voz do sangue falará sempre mais alto. Felizmente que recebeu notícias antes do fim do dia. Parece-me que, apesar de tudo o que as liga é mais importante do que o que as separa. É preciso saber esperar a oportunidade e continuar a acreditar, apesar de tudo.
Quanto ao resto, muitos parabéns. Vou recomendar. Um abraço

11:08 da tarde  
Anonymous dhuoda said...

Obrigada pelas palavras de solidariedade.
Obrigada ainda pelo incentivo.Retribuo o abraço.

1:26 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Enjoyed a lot! »

9:23 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

What a great site » »

1:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home