domingo, julho 31, 2005

A Misteriosa Chama da Rainha Loana

Em dois dias devorei este novo livro de Umberto Eco.
Para quem, como eu,desejava poder ter a sorte de morrer serenamente,com a certeza de ter feito e dito o fundamental, com a paz de ter percorrido o meu caminho e de ter -me procurado de todas as formas, esta obra trouxe-me outra forma de compreender que nunca é tarde para nos procurarmos e que os caminhos mais tortuosos podem ser os mais adequados ao derradeiro encontro com o nosso ser.
Um AVC pode ser ponto de partida para uma busca urgente e diligente da nossa identidade interior.
A proximidade da morte, mesmo fora do contexto apaziguador da nossa casa,é ainda vista como a última oportunidade de nos reencontrarmos.
E além do mais,é um livro com humor, com interessantes ilustrações e cheio de referências culturais interessantes.Mais do que tudo,cheio de mistério,sonho, nevoeiro,uma casa antiquissima e um certo alfarrabista que desdramatizou,perante mim,o medo da perda da memória autobiográfica e a chegada de uma morte não anunciada.

4 Comments:

Blogger Luís Gustavo said...

Também li o livro e adorei. Mas algo me intrigou muito: em todos os romances do Umberto Eco houve certa ambiguidade em relação à própria existëncia e veracidade da história. No misteriosa chama, ele termina a história com um delírio, mas a frase final : "Por que o sol se está fazendo negro?" nos deixa uma margem de inúmeras conclusões a tomar. Afinal, o protagonista acordou depois do coma e escreveu a história ou o livro é a própria história, que termina com o fim do livro? Você entendeu essa frase final? Ele morre? Ele acorda do coma? Ah, essas obras abertas...

10:26 da tarde  
Anonymous dhuoda said...

Luís Gustavo,
Na altura em que acabei a leitura do livro, acreditei que o protagonista tinha morrido e, com a sua morte, a história chegava ao fim.
A nossa leitura, qualquer que seja, é um novo olhar sobre a arte que transcende o autor.Lançado ao mundo, o livro torna-se desse mesmo mundo, vulnerável e sujeito a novas leituras e enriquecimentos.
Abençoado escritor e filósofo!

9:21 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Excellent, love it! Correlasion between using statins and bilestones

7:19 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá. Caí aqui por acaso.

Eu acho que as linhas finais do livro referem-se à morte do narrador, naquele estado de coma.

Esse artifício que o autor usou na terceira parte, quando Yambo supostamente entra em coma, e vai rememorando tudo sem que os seus amigos e familiares tomem conhecimento me parece muito interessante. Muito rica de significados, potencialmente dando vazão a várias interpretações e reflexões, especialmente sobre a solidão (inclusive cósmica).

A terceira parte, sem dúvida é o ponto alto do livro.

9:55 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home